POLÍTICA

Representantes do Legislativo adulto e mirim falam sobre os jovens schroedenses na política


Vereadores mirins, acompanhados pelo presidente da Casa, Manoel Burgardt (E). Foto: Portal de Schroeder

A partir dos 18 anos, todos os brasileiros são obrigados a votar para escolha dos representantes municipais, estaduais e nacionais.

No entanto, muitos não sabem qual a função que cada um dos eleitos deve desempenhar e quais promessas poderão, efetivamente, cumprir.

Não entender de política é ignorar todas as grandes decisões que envolvem o lugar em que vivemos e, portanto, que impactam diretamente na vida de cada um.

E foi justamente pensando nisso que alguns estudantes de Schroeder optaram por se envolver na política.

O Programa de Vereadores Mirins de Schroeder reúne jovens de escolas locais que passam pelo processo eleitoral e, após escolhidos, são diplomados durante sessão legislativa.

Ao longo do ano, os estudantes participam de diversas atividades e realizam sessões, aprendem sobre as funções legislativas e passam a compreender mais sobre os Poderes Legislativo e Executivo.

"O projeto do vereador Marcos Mannes, de Guaramirim, propôs uma escola do Legislativo. O vereador mirim vai aprendendo para que, no futuro, ele tenha uma visão melhor do que é a política. Hoje, muitos se elegem, entram, mas não estão preparados, então essa escola dá oportunidade para isso", justifica o presidente da Câmara de Schroeder, vereador Manoel Burgardt, que está no 5º mandato consecutivo.

Para o presidente, o ideal é que a comunidade acompanhe mais os vereadores, especialmente estando mais presente na Casa do Povo (Câmara).

 
 
Presidente do Legislativo, vereador Manoel Burgardt, e presidente Mirirm, Iorrana Campos de Souza. Foto: Portal de Schroeder

Esse papel mais ativo representa maior conhecimento do trabalho que vem sendo feito, mais esclarecimentos sobre projetos e contato direto com os representantes da comunidade.
 

"A Câmara é o local onde a gente pode fazer a diferença", ressalta.


FUTURO DA POLÍTICA

Eleita presidente da Mesa Diretora da Câmara de Vereadores Mirins, Iorrana Campos de Souza, de 14 anos, acredita que deu um importante passo pelo próprio futuro e o da cidade.

Além de dar orgulho aos pais, a aluna da Escola Luiz Delfino destaca que buscava conhecimento na área.

"As pessoas precisam entender mais sobre a política. Todo mundo pensa que um vereador só espalha brita, arruma asfalto e essas coisas. Eu pensava isso antes de entrar no programa. Depois do primeiro encontro, comecei a ter outra visão sobre os vereadores", declara.

Iorrana diz que percebeu que quem faz asfalto é o Executivo e que os vereadores fazem parte do processo legislativo (elaboração e aprovação de leis).

Hoje, ela sabe as diferenças entre os Poderes e as atribuições de cada um.

Outra questão importante para a jovem, é poder conversar com a família sobre o assunto, contribuindo com informações verdadeiras e embasadas em sua experiência junto à Câmara de Vereadores.

RESPONSABILIDADE

Desde o primeiro encontro dos vereadores mirins, a estudante almejou o cargo de presidente da Mesa Diretora.

"Não é querer ser melhor que outros, ou ser a maioral, mas eu realmente senti que gostaria de ser a presidente e, durante a votação, estava torcendo para conseguir. Eu acredito, eu posso ser uma boa presidente, eu vou conseguir ter essa responsabilidade", declara Iorrana.

"Eu represento a Câmara de Vereadores Mirins, a minha escola, a população do meu bairro, é uma responsabilidade muito grande. E eu fiquei muito feliz, muito empolgada e acho que foi uma das melhores coisas que aconteceu na minha vida", completa.

 
 
Mesa diretora formada pela presidente Iorrana, vice-presidente Thainá Caroline Venturini e secretária Suelen Tais Wudtke. Foto: Portal de Schroeder

A empolgação da presidente mirim difere do discurso de grande parte dos jovens que votarão pela primeira vez nas eleições estaduais e nacionais de 2022.

Grande parte não quer se envolver com a política e deverá ir às urnas somente para cumprir uma obrigação.

Mas, para a Iorrana, isso é reflexo da cultura familiar. O fato de sua mãe ter sido funcionária pública influenciou os debates em casa.

"Ela passava conhecimento para a família e eu entrei no programa para estudar e entender. Então, todos nós que estamos aqui queremos tirar essa ideia de que vereador faz isso, ou que prefeito não faz nada, porque a maioria dos jovens não querem se envolver por causa disso, porque os pais entendem pouco, não sabem passar para os filhos e assim cresce a população, sem saber sobre a política", opina.

MULHERES NA POLÍTICA

Ao contrário do que acontece no Legislativo adulto, onde apenas uma mulher ocupa assento, no mirim, elas são maioria.

Para a presidente, isso representa um envolvimento feminino maior na política, o que ela considera muito importante, pois as mulheres possuem tanta competência para cargos públicos quanto os homens.

 
 
Vereadores mirins titulares e suplentes participam das atividades na Câmara. Foto: Portal de Schroeder

Sobre o futuro na política, a jovem não descarta a possibilidade de candidatar-se à vereadora ou prefeita, ou de atuar por uma ONG, para poder ajudar o município de Schroeder.

Nesse sentido, o vereador Manoel Burgardt destaca a importância de acompanhar os jovens que fazem parte do programa e enfatiza a grande participação feminina no grupo.

"Isso já representa uma mudança. Temos que reconhecer o papel da mulher e acabar com o machismo, e aqui eu vejo que isso está mudando", salienta.

ELEIÇÕES 2022

Aos jovens que vão votar pela primeira vez, Iorrana aconselha a buscarem informações em fontes oficiais, pois a propagação de fake news não contribui para o processo eleitoral.

 

"Tem que ter cuidado [com as notícias falsas] e realmente entender o que faz cada Poder, para entender quais as propostas dos candidatos e ver o que é melhor", comenta, acrescentando que os jovens precisam 'abrir a cabeça' para a política.


O PROGRAMA

A primeira turma de vereadores mirins foi formada em 2019, sendo realizado o processo eleitoral, diplomação e posse.

Devido à pandemia, o programa foi cancelado em 2020 e 2021, sendo retomado em 2022.

Neste ano, contou com a participação de 4 unidades escolares de Schroeder: Escola Luís Delfino, Escola Professora Elisa Cláudio de Aguiar, Escola Professor Emílio da Silva e Escola Professor Santos Tomaselli.

As escolas elegeram seus vereadores mirins titulares e suplentes.

O programa é desenvolvido pelos servidores da Câmara, que atuam voluntariamente.





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



POLÍTICA   |   28/06/2022 17h17





POLÍTICA   |   24/06/2022 10h05