SEGURANÇA

PM diz que pode recorrer à força para garantir desbloqueios em SC; veja decreto com ações


SC-407, em Biguaçu, na Grande Florianópolis, nesta quinta-feira (9) — Foto: Antônio Neto/NSC TV

A paralisação dos caminhoneiros em Santa Catarina foi tema de coletiva de imprensa promovida pelo Centro de Controle e Operações do governo do Estado nesta quinta-feira (9). Durante a reunião foram anunciadas ações para garantir a manutenção dos serviços afetados pelos bloqueios nas rodovias.

Entre as ações, está o decreto publicado no DOE (Diário Oficial do Estado) nesta manhã, que dá prioridade de abastecimento a veículos da segurança pública e da saúde. A operação de desmobilização dos caminhoneiros ficará a cargo das forças de segurança.

O comandante-geral da PMSC (Polícia Militar de Santa Catarina), coronel Dionei Tonet, afirmou que os agentes darão cumprimento a medida liminar de desocupação de pontos de bloqueio nas rodovias estaduais. O uso da força não foi descartado pelo comandante.

“Estamos pautados na determinação do governo com o uso progressivo de meios para frear as mobilizações. Apresentaremos a liminar e, caso não seja cumprida, serão tomadas medidas com uso escalonado da força para que sejam restabelecidas as condições de abastecimento, principalmente, dos caminhões que levam combustíveis aos postos”, afirmou Tonet durante a coletiva.

O superintendente da PRF em Santa Catarina, inspetor André Saul do Nascimento, disse que na noite desta quarta-feira (8) houve a desmobilização de pontos significativos no Estado. Atualmente, há quatro pontos de bloqueio em rodovias federais, conforme o inspetor.

“Tivemos grandes avanços. Estamos recebendo reforço do governo federal e de servidores da PRF especializados em negociação. A polícia tem atuado para garantir o direito de ir e vir”, afirmou.

Decreto prioriza saúde e segurança pública

O decreto nº 1.459 publicado pelo governo do Estado determina que veículos usados na assistência médica e hospitalar, como as ambulâncias, e na segurança pública tenham prioridade no acesso a combustíveis.
O documento considera a necessidade de garantir a saúde pública, a distribuição de doses de vacina contra a Covid-19 e o transporte de agentes da saúde e das forças de segurança pelo Estado.

O decreto estabelece, ainda, que o Procon estadual deverá atuar no combate ao aumento arbitrário de preços dos combustíveis nos postos e na garantia da prioridade de abastecimento aos veículos da saúde e segurança pública.


ND




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



SEGURANÇA  |   22/11/2021 08h55





SEGURANÇA  |   25/10/2021 18h09


SEGURANÇA  |   25/10/2021 18h05